origem

Quarta-feira, 4 de Janeiro de 2012

Puta de sorte q'invoca a morte

Da triste vida que não sabe para onde aponta o Norte.

Não sei escrever aquilo que julgo ler,

Nem reparar no que os meus olhos conseguem ver.

Inóspito é ser cego do merdoso do meu ego

E reparar que navego no mar onde neva.

Um tudo frio de um nada vazio da rota que me desvio.

 

Puta de sorte que é estar só,

Estar roto e remendar com um nó.

Estou ressacado.



publicado por Emanuel Graça às 21:38 | link do post | comentar

2 comentários:
De Mário Nunes a 5 de Janeiro de 2012 às 13:10
O meu poema favorito até agora. Mais uma vez com o climax a aparecer na conclusão e com o verso da conclusão a estar directamente relacionado ao nome do poema. Muita originalidade e sentimento. Parabéns. :)
(Adoro a estrutura do blog)


De Emanuel Graça a 6 de Janeiro de 2012 às 00:07
Muito obrigado pelo comentário, Mário. A ideia deste poema era mesmo essa, criar uma ligação entre o título e a conclusão. É a chave para o entendimento do mesmo e fico feliz por ter chegado a essa chave. Obrigado quanto ao elogio relativo à estrutura do blog. Continuação e grande abraço.


Comentar post

mais sobre mim
Posts mais comentados
arquivos

Janeiro 2013

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

blogs SAPO
subscrever feeds